sexta-feira, 23 de março de 2012

O Fim do Verão

           Mais um verão se foi de nossas vidas sem que pudéssemos aproveitar tudo o quanto pretendíamos. Antes fizemos planos. Porém, quando começamos a desfrutar do doce tempero do transcorrer do tempo, acabamos seguindo por um caminho desviante e, por fim, perdemo-nos...
           Queria eu ter ficado mais ao sol, observado mais o horizonte ou tomado mais um drinque refrescante sobre a areia. Queria eu ter escutado mais o silêncio, ter dito mais besteiras, feito mais brincadeiras. Se pudesse, faria tudo diferente, todavia, não posso. E, depois que tudo está chegando ao fim, depois que o tempo começa a esgotar-se e após o sol já perder parte de seu brilho – indicando, com isso, a chegada do outono – sabemos que não há nada mais que possamos fazer com o que restou. Somente nos restaram memórias. Memórias da estação.
           Mais um pedaço de tempo é cortado de nossas vidas, como se fosse parte de nossa própria carne, de nossa existência. E acabamos mergulhados em águas opacas, vendo tudo de forma deturpada. Conformados, seguimos em frente. Só nos resta esperar mais um ano.